Retrato

Publicado: 02/08/2017 em Tripalavras

Em que pedaço do retrato
teus sonhos, angústias
tudo aquilo que sentia
naquele dia
ficou gravado?

as portas dos teus olhos
ficaram ocultas da eternidade
quando escolheu olhar para baixo

quanto passado já havia ali guardado?

e depois dali foram tantos quartos
quantos corpos
alguns corações

Amou tudo que havia para amar
enquanto restava tempo
uns menos, outros muito
e ainda resta um pouco mais

mas depois de milhares de dias
tudo não parece tão distante
daquele que ficou registrado

aquele do retrato
andou por todo lado
e a foto de hoje
guarda muito mais passado

 

por Nelson Lucyszyn Jr.

 

 

 

 

 

 

Reaprendendo a vadiar

Publicado: 30/05/2017 em Tripalavras

Retrato gasto da manhã de outono
mais uma vez acorda cinza a janela do quarto
repasso as esquadrias fechadas
antes de sair para o dia

Coloco os restos do fim de semana
na lixeira da frente, com ligeiro embaraço
o comércio já respira acelerado
enquanto descarto as garrafas vazias

Bato meu ponto com precisão sagrada
regularmente atrasado
Mas não deixo de cumprir a tarefa
à qual me presto dedicado

Retomo a contagem do tempo em mim
só a noite, quando volto para casa
Ainda que seja pequena
Minha parte das horas é somente minha

Hoje sei a vida movimento
mesmo que às vezes permaneça parado
Vendo passar aqui dentro
a grande comitiva do tempo

As palavras penduradas no céu da noite
fogem das paredes cotidianas
como também tento eu
feito cão sem dono perseguindo estrelas

 

Nelson Lucyszyn Jr.

 

Einstein estava errado

Publicado: 10/05/2017 em Tripalavras

Neste presente tudo tem sido tão difícil de relativizar
a natureza humana, a insensatez
a violência gratuita
os mecanismos sórdidos das instituições
o elogio diário à estupidez
a cotidiana desfaçatez
que posa nos noticiários,
noticiada por farsantes de respeito público
enquanto o público se indigna, anestesiado
notoriamente arrebanhado
mas cada um, com sua teoria de tudo
muito bem alinhada com os editores de plantão
prontos para compartilhar mentiras, como um bando de abobados
E mesmo eu, quando me encerro do mundo
percebo que não passo
de um teimoso errante, perdido em lugares do passado
sempre preocupado
com o momento futuro que insiste em demorar
passando as noites embriagado
tentando descobrir em qual lado
da realidade
encontra-se meu tempo
e meu espaço.

Nelson Lucyszyn Jr.

When winter came

Publicado: 08/05/2017 em Tripalavras

Dentre as coisas que não sabia
um outro lado meu que não conhecia
diferente de tudo que me pertencia
Guardava-se de mim, até que o descobri

Tamanha solidão senti
pensava que em mim não caberia
Vida que não era minha, escolhi
Guardando as horas em frente ao meu maior silêncio

E tão difícil foi entender que poderia
Ser além do que existia
Mergulhar-me o fundo sem saber o que encontraria
Sem medo, como abrir a porta da própria casa

E foi lá, sentada, dia após dia
na pedra que escolhi para ser minha
que pude compreender o oceano.
De tanto mar que em mim havia

 

Nelson Lucyszyn Jr.
(Com tema e título de Bruna Nicocelli)

Tempestade

Publicado: 29/04/2017 em Tripalavras

As árvores amanheceram deitadas,
os portões da entrada
não estavam lá
Da casa mesmo, só restaram as estacas
teimosas

O sofá da sala, o armário do quarto
estirados
bem no meio da estrada
Encontrei, depois de umas horas,
meus livros
onde antes a igrejinha ficava
Agora, mudou para a praça

A cidade onde eu morava
desistiu
no chão abandonada
Feito eu
Depois daquela noite
anoiteceu.


por Nelson Lucyszyn Jr.

De volta

Publicado: 29/04/2017 em Tripalavras

Depois de três anos da viagem interrompida, retornamos. E retomamos nossa caminhada musical com um bom tanto de histórias na bagagem. Tempo vivido que passa a habitar os novos sons da Trip que já começaram a sair. Mas por enquanto, deixamos por aqui nossa última criação, gravada ainda no Audio Ataque, lugar que podemos chamar de nossa primeira casa.

 

E você, nos acompanha na nova jornada?

Minha língua
velha de guerra
pouco a pouco deserdada

reservada, silencia
já não grita ou desafia
faca cega abandonada

já não afia desacordo
nem promessas
nem lamentos

já não dá sua palavra
nem se perde
em contra-tempo

Deixa que os olhos
falem mais
ou que a ação fale por nós

A intimidade é de um silêncio
e eu depois de tanto tempo
estou tão bem comigo a sós.

por Renaclo